Constipação intestinal infantil – Intestino preso

Constipação intestinal infantil,  intestino preso ou prisão de ventre é a eliminação com esforço ou dor de fezes endurecidas, ressecadas, as vezes com frequência menor que o habitual.

As fezes podem se apresentar como:

bolinhas muito duras com rachaduras (Fezes de cabrito) ou

cilindros grossos que podem entupir o vaso sanitário e são consequentes a retenção de fezes.

Constipação intestinal infantil – Causas

Não existe causa única para a constipação intestinal infantil e sim combinação de diversos fatores:

Predisposição genética: Um dos pais ou os dois apresentam ou apresentaram obstipação  intestinal;

Pode ser uma simples alteração do  hábito intestinal, comum  na idade pré-escolar, entre 2 a 4 anos, devido imaturidade neurológica, mudanças no padrão alimentar,  fácil de corrigir com mudança de hábitos.

Alimentação com excesso de leite, de alimentos industrializados, pouca ingestão de líquidos;

Uso excessivo e incorreto de laxantes;

Comportamento de retenção em crianças muito ativas que não querem parar de brincar , ou que não gostam de ir ao banheiro da escola ou fora de casa;

Comportamento de retenção pós treinamento de desfralde  difícil, precoce ou com tensão e ansiedade;

Comportamento de retenção em crianças com déficit de atenção ou problemas de desenvolvimento;

A retenção leva a dor na defecação, medo de evacuar, retenção,fezes  duras, mais dor na próxima evacuação.

Algumas crianças usam a constipação intestinal como forma de exercer controle sobre os pais.

Constipação intestinal  infantil – Observação importante

Bebes amamentados exclusivamente ao seio podem ficar alguns dias sem evacuar, as vezes até 5 a 7 dias mas eliminam fezes macias, sem dor ou esforço: é chamado de “pseudo obstipação intestinal.”

Bebes não amamentados que apresentam constipação intestinal intestinal deverão ser avaliados pelo pediatra.

Existe relação entre constipação intestinal infantil  e alergia a proteina do leite de vaca

Constipação intestinal infantil – Sintomas

Conheça o processo:

A decisão da criança de retardar a evacuação após uma ou várias experiências de dor  é o gatilho para que o processo de constipação intestinal infantil crônica  se instale, o que torna o quadro  de difícil tratamento.

Quando as fezes não são eliminadas por tempo prolongado  devido ao medo da criança de sentir dor as fezes se acumulam no reto que vai se distendendo pelo bolo fecal que se forma e  essa distensão diminui a sensibilidade, leva a problema na musculatura do intestino e interrompe o reflexo da evacuação e dilata a porção  do intestino acima do reto.

O círculo vicioso é dor – retenção – endurecimento de fezes – dor – perda do reflexo da evacuação – retenção.

Quando a retenção dor e distensão persistem,  pode ocorrer perda de fezes formadas, macias ou semilíquidas que escorrem da superfície ao redor da massa fecal endurecida: é o chamado  “escape fecal”, sujando a roupinha da criança, que passa a ser alvo de caçoada dos coleguinhas.

Com o decorrer do tempo, a criança começa a apresentar dor abdominal frequente, falta de apetite, vômitos.

Constipação intestinal infantil – Tratamento

O tratamento  da constipação intestinal infantil deve ser iniciado o mais precocemente possível, para  cortar o circulo vicioso e o problema não se agravar.

Uma vez instalada a constipação intestinal infantil o tratamento é prolongado podendo durar de 3 meses a 1 ano, sendo necessário tratamento de manutenção pois os insucessos se devem a descontinuidade do tratamento.

É um tratamento médico, que necessita de avaliação para afastar possíveis causas mais graves.

O objetivo do tratamento da constipação intestinal infantil é  interromper a retenção  para cortar o círculo vicioso.O intestino deve ficar vazio para restabelecer a sensibilidade normal e retorno do reflexo de evacuação.

Etapas:

1- Conhecimento do processo de instalação da constipação intestinal infantil é fundamental para os pais e  para a criança que já tem entendimento.Fundamental não adiar a defecação.

2-Eliminar as fezes impactadas é essencial e  deverá ser orientado pelo pediatra, algumas vezes sendo necessário ser realizada em ambiente hospitalar.

3- Impedir a formação de novos fecalomas, que são as fezes impactadas  o que se consegue através da lubrificação das fezes e estímulo intestinal com laxantes quando necessários orientados pelo pediatra ; correção da dieta e mudanças de hábitos:

  • Correção da dieta:

> Redução do leite para no máximo 200 a 500 ml por dia  é medida essencial pois estudos comprovam a relação entre ingestão de leite de vaca e constipação intestinal infantil.

>Introduzir iogurte uma vez ao dia.

>Aumentar as fibras insolúveis: cereais e farelo de trigo: retém água,aumentam o volume das fezes e ajudam a empurrar o bolo fecal;

>Aumentar ingestão de líquidos: 1 a 1,5 litros por dia;

>Não beliscar entre as refeições ; procurar fazer refeições completas, pois criança que come de pouquinho em pouquinho não estimula o intestino.

  • Mudança de hábitos:

>Aumentar atividades físicas- caminhar, subir escadas, correr, pular corda, andar de bicicleta.

>Diminuir o tempo total de internet, televisão e videogame- máximo de duas horas horas por dia.

4-  Reeducação do hábito intestinal  depois que as fezes já estão amolecidas  e evacuadas sem dor e a criança perdeu o medo.

  • levar a criança ao banheiro  5 minutos após as principais refeições para aproveitar o reflexo gastro cólico que estimula a evacuação

  • Deixar a criança sentada no vaso, durante 10 minutos com os pés apoiados( se precisar, colocar um banquinho),  para que ela consiga fazer a pressão abdominal e ajudar na evacuação.  Se ela conseguir evacuar, elogie.

Constipação intestinal  infantil – Como prevenir

Manter aleitamento materno no mínimo por 6 meses e se possível até 1 ano;

Após desmame manter  ingestão de leite de vaca  na quantidade máxima de 600ml;

Após 6 meses fazer a introdução de novos alimentos, incluindo cereais de preferência integrais, prestigiando legumes e verduras, no almoço e jantar bem amassados com o garfo aos poucos aumentar a consistência, para aos 8 meses iniciar em pedacinhos separados, enriquecendo com azeite de oliva.

Oferecer frutas ao natural, pois contem fibras insolúveis, evitando sucos;

Oferecer água  cerca de 1 litro a 1,5 por dia

Não usar alimentos ou sucos industrializados.

Levar a criança para atividades ao ar  livre

Não apressar o desfralde. Iniciar só após 2 anos e depois que a criança apresentar os sinais de prontidão;

Após o desfralde estimular a criança a evacuação ao primeiro sinal;

Não usar laxantes ou supositórios sem orientação médica.

Para mais informações, assista ao vídeo abaixo: