Alergia ao leite de vaca – Sintomas e tratamento

A alergia ao leite de vaca é frequentemente confundida com intolerância à lactose.

Alergia ao leite de vaca X Intolerância à lactose

A intolerância à lactose consiste de uma dificuldade em digerir o “açúcar” do leite (lactose). Os sintomas de intolerância à lactose são apenas digestivos:

  • Flatulência (gases);

  • Distensão e dores abdominais;

  • Diarreia.

No caso de intolerância à lactose, não é necessária a exclusão total de leite e derivados.

Alergia ao leite  de vaca- O que é?

Alergia ao leite de vaca, ou mais precisamente alergia à proteína do leite de vaca (APLV), é uma reação que ocorre quando a criança geneticamente predisposta entra em contato com a proteína do leite de vaca e o organismo reage produzindo anticorpos (Imunoglobulina E) e células inflamatórias contra o leite.

Quando existe um familiar com alergia (rinite, dermatite, ou asma), a criança tem 40% de possibilidade de manifestar a alergia ao leite de vaca

Ainda que não haja casos na família, a criança pode apresentar a alergia.

Causas da alergia ao leite de vaca:

A maior parte das crianças que apresentam sintomas de alergia ao leite de vaca tomaram contato com fórmulas de leite precocemente.

Mas existe também a possibilidade de que crianças que receberam exclusivamente aleitamento materno desenvolvam a alergia ao leite, porque pequenas frações de proteínas do leite de vaca que a mãe ingere passam para o leite materno.

Esta reação de alergia ocorre porque o sistema digestivo da criança ainda está imaturo e não faz a digestão total das proteínas do leite.

Sintomas da alergia ao leite de vaca

Existem dois tipos de reações:

Reações alérgicas imediatas:

Ocorrem imediatamente ou até duas horas após a ingestão da proteína do leite. Essas reações são dependentes da Imunoglobulina E, que é detectada nos exames de sangue e na pele.

Essas reações são:

  • Vômitos e diarreia;

  • Reação local de contato com inchaço e prurido(coceira);

  • Urticária – placas vermelhas elevadas, disseminadas e com prurido;

  • Chiado no peito e respiração difícil;

  • Anafilaxia – É a forma mais grave, podendo levar à morte. Caracteriza-se pelo envolvimento de dois ou mais sistemas, com manifestações de pele, respiratórias e cardíacas, com desmaio e queda da pressão arterial.

Reações alérgicas tardias:

Ocorrem 72 hs ou mais após a ingestão da proteína.

Os sintomas são principalmente gastrointestinais, acompanhados ou não de sintomas respiratórios e de pele. Não apresentam aumento da Imunoglobulina E.

Essas reações são as mais frequentes e as mais difíceis de serem diagnosticadas, pois se confundem com outras enfermidades e não existem exames laboratoriais que confirmem.

Reações mistas:

Apresentam sintomas imediatos e tardios.

Quando suspeitar de alergia ao leite de vaca:

  • Cólica exacerbada nos bebês e que não preenche o critério de cólica do primeiro trimestre;

  • Refluxo gastroesofágico que não melhora com medidas posturais e medicamentosas;

  • Evacuações com muco e sangue em bebês entre 2 a 8 semanas com bom estado geral em aleitamento materno;

  • Vômitos e diarreia crônicos;

  • Obstipação intestinal persistente que não melhora com o tratamento;

  • Parada de crescimento, algumas vezes sem outros sintomas;

  • Eczema/ dermatite;

  • Assadura de difícil controle;

  • Rinite/congestão nasal/chiado/conjuntivite: Esses sintomas não costumam aparecer isoladamente na APLV. Em geral, manifestam-se associados a sintomas de pele ou gastrointestinais.

Como confirmar que seu bebê está com alergia ao leite de vaca:

Até o momento, o único método confiável para confirmar o diagnóstico de alergia ao leite de vaca,  o chamado “padrão ouro”, é o TESTE DE PROVOCAÇÃO ORAL. O teste consiste na exclusão de leite de vaca e derivados da dieta da criança ou da alimentação da mãe que amamenta, durante 4 semanas, e reintrodução programada sob supervisão médica.

É considerado positivo para alergia à proteína do leite de vaca, se a retirada levar ao desaparecimento dos sintomas, e, se após o retorno da ingestão de leite, os sintomas retornarem.

Quando não há resposta favorável com a retirada do leite de vaca, é pouco provável o diagnóstico de alergia ao leitede vaca.

Nos bebês em uso de mamadeira, o teste é feito com a introdução de fórmula de aminoácidos livres, que é 100% eficaz e não deixa dúvidas.

Como tratar a alergia ao leite de vaca:

A única forma de tratar a alergia à proteína do leite de vaca é excluir completamente leite de vaca e derivados da dieta da criança e da alimentação da mãe que amamenta.

Os lactentes com alergia ao leite de vaca que são alimentados com mamadeira, deverão utilizar as fórmulas com proteínas extensamente hidrolisadas ou a fórmula de aminoácidos, para que a mucosa do intestino se recupere do processo inflamatório.

Até quando eliminar a proteína do leite de vaca?

A restrição deverá ser mantida por 6 a 12 meses. Após esse período, o médico indicará um novo teste de provocação oral para verificar se a criança já adquiriu tolerância.

Alergia ao leite de vaca tem cura?

50% das crianças adquirem tolerância ao leite de vaca após 1 ano de idade. 90% até os 3 anos. Apenas 15% persistem até a idade adulta.

De uma forma geral, quanto mais precoce o diagnóstico de alergia à proteína do leite de vaca, e, mais rápido for feito o tratamento, mais rápida é adquirida a tolerância.

Uso de outros leites:

  • Fórmulas de soja: Não são indicadas antes dos 6 meses de idade, pois contêm fitoestrógenos (isoflavonas) e também podem causar alergia. Podem ser uma alternativa após 6 meses se não houver diarreia.

  • Leite de cabra, búfala e outros mamíferos: Não são indicados. As proteínas têm semelhanças e podem causar alergia, além de serem inadequadas do ponto de vista nutricional.

  • Leite sem lactose: Totalmente contraindicado, pois contém a proteína do leite. Deve ser utilizado nos casos de intolerância à lactose não nos casos de alergia ao leite.

Alergia ao leite  de vaca – Tratamento de alto custo:

As fórmulas de tratamento para alergia ao leite   de vaca(Hidrolisados proteicos e Fórmulas de aminoácidos) são muito caras, por isso o Governo tem um programa de distribuição das fórmulas até a idade de 2 anos, que é feito por meio da  Secretaria de Saúde de cada  Estado.

Informe-se no Posto de saúde em que seu filho tem cadastro.

Assista a este vídeo para entender melhor sobre a alergia ao leite de vaca: