Autismo em meninas

1 menina para 4 meninos apresenta Transtorno do Espectro Autista (TEA). Alguns fatores tem sido sugeridos para essa diferença:
.

O autismo tem um componente genético provavelmente ligado ao cromossomo X.Os meninos só possuem 1. As meninas tem 2 cromossomos X e esse duplo X parece ter efeito protetor.
.
As meninas nao estão sendo diagnosticadas, principalmente quando são de alto funcionamento.
.
"Os critérios para o diagnóstico do autismo se baseiam em comportamentos predominantemente masculinos."
. .
O diagnóstico em meninas é mais difícil.
Meninas tendem a apresentar as manifestações do TEA de 2 formas:
.

Um quadro com sintomas mais graves com atraso de linguagem e deficiência intelectual.
.

Um quadro mais leve que muitas vezes passa despercebido até a adolescência.
Meninas camuflam seus sintomas.
Meninas tendem a imitar o comportamento das meninas de sua idade, o que faz com que os sintomas como comportamentos repetitivos e restritivos passem despercebidos.
.

Em geral elas são mais tímidas, quietas, não gostam de conversar, preferindo ficar em um canto lendo, não gostam de se expor.
Podem apresentar os transtornos sensoriais: não gostam de barulho, não aceitam toque, abraços. Podem ter manias ser excessivamente sistemáticas, ritualisticas.

Essas características são aceitas em meninas e por isso não são diagnosticadas.
.
A falta do diagnóstico impede que elas recebam os estímulos adequados na infância para se desenvolverem plenamente. .

Não desenvolvem habilidade social, são inocentes, não entendem frases de duplo sentido, não tem o filtro social, falam o que não devem, sinceridade excessiva, grosserias, não conseguem se colocar no lugar do outro, não conseguem se inserir por isso desenvolvem quadros de ansiedade depressao e TOC

Pela falta de tratamento adequado chegam a adolescência sem defesa: mulheres autistas são mais susceptíveis e tem maior risco de sofrer abuso sexual.
.
Tendo em vista esses fatos torna-se de extrema importância o diagnóstico precoce nos primeiros anos de vida
.
#autismo#autismobrasil#autismoemmeninas#transtornodoespectroautista#transtornodoespectrodoautismo#autismoleve#autismoinfantil#autismobr